Downloads do app Zapzap disparam após polêmica do WhatsApp no Brasil

Downloads do app Zapzap disparam após polêmica do WhatsApp no BrasilAplicativo brasileiro Zapzap teve pico de downloads
após polêmica com WhatsApp (Foto: Divulgação)

Quando o analistas de sistemas Erick Costa acordou na manhã desta sexta-feira (27), em Belém do Pará, 50 mil novos usuários haviam baixado seu aplicativo de mensagens instantâneas. Um recorde.

Beneficiado pela crise instaurada após a justiça do Piauí pedir o bloqueio do WhatsApp em todo o país, o dono da versão tupiniquim do app – chamada Zapzap – comemora um salto estatístico inédito: mais de meio milhão de novos downloads desde a última quarta (25).

A ironia é que “Zapzap” é o apelido informal pelo qual milhares de brasileiros conhecem o original WhatsApp. Costa, que transformou o apelido em marca registrada em maio do ano passado, diz só ter “aproveitado a oportunidade”.

“Já que íamos criar um mensageiro 100% brasileiro, decidi escolher o nome mais brasileiro possível”, disse à BBC. “Zapzap é um nome que todo mundo ia aceitar. Poderia ter escolhido outro qualquer, mais não ia ter essa penetração”.

saiba mais
  • Desembargador do Piauí diz que tirar WhatsApp do ar é desproporcional
  • WhatsApp é o 4º maior aplicativo da internet móvel do Brasil
  • Decisão de juiz de tirar WhatsApp do ar no Brasil gera comentários na web
  • Com medo de WhatsApp ser barrado, brasileiros correm para o Telegram

Retorno
Apesar do trocadilho, ele diz nunca ter sido procurado pelos donos do Whatsapp – cuja crise se tornou sinônimo de rentabilidade para a concorrência. “Para a gente o retorno foi fantástico. O brasileiro que não queria ficar fora do WhatsApp partiu para a nossa ferramenta. Foi uma opção natural”, diz Costa.

Nem tão natural assim. Com medo do fim do WhatsApp, usuários brasileiros criaram correntes dentro do próprio aplicativo incentivando a migração para o Zapzap. “Não tivemos nada a ver com isso”, ressalta Costa. “Não mandamos nenhum tipo de propaganda”.

A polêmica começou após a justiça do Piauí alegar que os donos do WhatsApp, nos Estados Unidos, não estariam colaborando com investigações sobre pedofilia no Brasil por meio do app.

À BBC Brasil, o delegado Alessandro Barreto, do núcleo de inteligência da policia civil do Piauí, disse que “o WhatsApp é usado no Brasil para crimes como pedofilia, assaltos e tráfico de drogas”. Segundo ele, o aplicativo serviria como “facilitador” para crimes.

Após pedir, sem sucesso, que o aplicativo compartilhasse o teor das mensagens trocadas pelos suspeitos de envolvimento com pedofilia em Teresina, a justiça ordenou às operadoras de telefonia que bloqueassem o aplicativo em todo o país por não colaborar com as investigações.

O último capítulo da novela surgiu na tarde desta quinta (26), quando um desembargador do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) pediu que a decisão de bloqueio nacional do app fosse sustada, alegando que a investigação é local e não nacional.

“Acho que qualquer aplicativo está sujeito a isso. Ferramentas podem ser usadas para o bem e para o mal. O WhatsApp é grande, bilionário, por isso virou alvo”, diz Costa, sem revelar o faturamento de sua empresa.

Viber x Telegram
Outros apps estrangeiros de mensagens também comemoram a possível suspensão do WhatsApp – atualmente, o aplicativo de bate-papo mais popular do Brasil e do mundo.

Segundo app de mensagens mais popular do planeta, o Viber diz ter ganhado 3,5 milhões de novos usuários no Brasil até a última quinta-feira (26). Para tanto, vêm usando uma campanha agressiva pelas redes sociais.

“WhatsApp pode ser bloqueado e Telegram cheio de problemas de segurança. Baixe o Viber e continue trocando msgs!”, diz o tweet compartilhado quase três mil vezes em 24 horas.

O rival Telegram não deixou por menos. “@ViberBR Tenha mais cuidado ao twittar. Não é bom espalhar falsos boatos para obter usuários. Tente ter grandes recursos em vez disso. ;)”, tuitou, compartilhado mais de 2,7 mil vezes.

Também pelo Twitter, o Telegram disse ter registrado 2,5 milhões de novos usuários brasileiros desde quarta (25).

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *